Quando compramos um produto alimentício no supermercado, por exemplo, a embalagem vem com um rótulo contendo a tabela nutricional e é por ela que o consumidor pode identificar quais são as propriedades e qual a quantidade de cada ingrediente. Embora muitas pessoas não tenham o costume de verificar ou até mesmo não saibam como interpretar as informações, é possível analisar de uma maneira fácil e escolher a melhor opção. Confira!

Ordem dos ingredientes


De acordo com a nutricionista Claudia Bastos de Oliveira, a lista da tabela nutricional descreve os ingredientes do elemento em maior quantidade para o de menor quantidade, ou seja, em ordem decrescente. Ela também esclarece que é importante prestar atenção na quantidade de açúcares (carboidratos), sódio e presença de gorduras trans. Caso algum alimento apresente esses ingredientes citados nas primeiras colocações da lista, o ideal é buscar outros produtos mais saudáveis.

- Porção


É importante entender que os valores inseridos na tabela nutricional não se referem ao produto alimentício como um todo, mas sim a uma porção do alimento. Nesse sentido, para calcular os valores nutricionais de toda a embalagem ou de determinadas quantidades que não são da porção representada, deve-se multiplicar ou dividir os valores descritos na tabela pela quantidade que a pessoa quer consumir.

- Valor energético


Como o próprio nome diz, o valor energético é a quantidade de energia que o corpo produz com a ingestão do alimento, através dos carboidratos, proteínas e gorduras. Na tabela nutricional, ele é representado em calorias (kcal) e quilojoules (kJ), sendo a proporção 1 kcal = 4,2 kJ.

% VD


Tendo como referência a quantidade média de calorias necessárias diariamente para um adulto saudável, sendo de 2000 kcal, este item indica a porcentagem que este alimento representa no Valor Diário calórico (VD). Por exemplo, caso esteja na tabela nutricional que o alimento tem o valor energético de 200 kcal (ou 840 kJ), ele representa a 10% do VD.

- Carboidratos


Nos produtos industrializados são apresentados principalmente sob forma de açúcar. São utilizados como fonte de energia, mas o que não é utilizado pelo corpo acaba ficando armazenado em forma de gordura.


No entanto, os carboidratos são fundamentais para fazer com que o corpo humano sobreviva, especialmente o cérebro. O que a pessoa precisa fazer é observar a quantidade que está ingerindo por dia, sendo 300g a quantidade ideal.

- Proteínas


As proteínas são nutrientes responsáveis pela construção e manutenção de tecidos, órgãos e células. O ideal é consumir 75g de proteína por dia, e as pessoas podem consumir este nutriente por meio de laticínios, carnes, ovos e leguminosas.

- Gorduras totais


Este item contém a soma de todas as gorduras contidas no alimento, tanto as ruins, quanto as boas.

Apesar de ser considerada a vilã das dietas, a gordura é fundamental para o corpo humano, pois auxilia na absorção das vitaminas A, D, E e K, além de ser uma ótima fonte de energia. Entretanto, é preciso ter cautela na hora de consumir, pois o consumo em excesso resulta no aumento de peso. Sendo assim, o valor diário recomendado é de apenas 55g.

Gorduras saturadas


Taxadas de gorduras ruins, as gorduras saturadas são de origem animal. O consumo em excesso pode resultar em doenças cardiovasculares, sendo a quantidade recomendada de 22g por dia.

Gorduras Trans


Produzida à base de gordura hidrogenada, é encontrada principalmente em produtos industrializados como margarinas, sorvetes, salgadinhos, entre outros alimentos. Esse tipo de gordura não é necessária para corpo humano, e podem contribuir para o aparecimento de doenças cardiovasculares. Por não apresentarem nenhuma função importante para o organismo, a recomendação de consumo é mínima, sendo aconselhável apenas 2g ao dia.

Gorduras mono e poliinsaturadas


Conhecidas como "gorduras boas", as gorduras insaturadas são formadas pelos ácidos graxos mono e poliinsaturados. Esses ácidos graxos são benéficos, pois ajudam a reduzir o LDL (colesterol ruim) e o triglicérides, tendo um efeito cardioprotetor, e podem ser encontrados em alimentos como castanhas, chia, peixes, abacate, azeite de oliva, entre outros. Entretanto, assim como todos os outros itens, é preciso evitar os excessos, sendo a quantidade de consumo recomendável de 33g ao dia.

- Fibra alimentar


As fibras são elementos essenciais para o corpo humano. Elas ajudam a regular a flora intestinal, controlam as taxas de glicemia e colesterol e, inclusive, dão maior saciedade. Elas estão presentes em frutas, hortaliças, feijão e grãos integrais, sendo a quantidade mínima de consumo de 25g.

- Sódio


Quando consumido em excesso está relacionado à elevação da pressão arterial, doenças cardiovasculares e obesidade. É encontrado principalmente no sal de cozinha e produtos industrializados, como doces e refrigerantes. Em contrapartida, o sódio também equilibra a quantidade de água no organismo, gera a transmissão de impulsos nervosos e estímulo muscular. A quantidade sugerida de ingestão de sódio é de até 2g por dia.

Se você atua na área da nutrição e deseja se tornar um (a) expert na gestão de alimentos, conheça e se matricule no MBA em Gestão da Qualidade, Produção e Higiene de Alimentos do Incursos. Seja um (a) especialista no assunto e se destaque no mercado de trabalho.



Fonte: Enutri e Catraca Livre

Imagem: 123RF