A doença de Crohn se caracteriza como uma doença inflamatória intestinal que em sua fase ativa resulta em sintomas como dor abdominal, diarreia grave, fadiga, perda de peso e desnutrição. Apesar de não ter cura ainda, quem possui a doença pode controlar os desconfortos da inflamação com o uso de medicamentos anti-inflamatórios e imunossupressores.


Esta enfermidade, geralmente, afeta a parte inferior do intestino delgado, mas pode se manifestar em qualquer lugar, da boca ao ânus. O sistema imunológico também desempenha um papel nessa condição. Isso porque, as células imunológicas se acumulam no intestino, atacando bactérias, alimentos, tecidos saudáveis do corpo e outras substâncias inofensivas ou mesmo benéficas.

Diante desta doença, é importante se prevenir das complicações maiores, pois, alguns alimentos e bebidas podem agravar os sintomas podendo até desencadear uma crise. Confira:


O consumo de leite e derivados deve ser limitado


A intolerância à lactose pode estar associada à doença de Crohn. Isso significa que ao ingerir alimentos que contenham esse açúcar, presente no leite e seus derivados, o paciente pode ter diarreia, dor abdominal e gases. Para controlar ou evitar uma crise, limite o consumo, ou até mesmo exclua de vez, leite, queijo, manteiga e derivados que contenham lactose. Para substituir esses alimentos com fonte de cálcio, escolha produtos sem lactose na sua composição, ou troque o leite por leite de soja e o queijo por tofu.

Evite alimentos fritos e gordurosos


A gordura da batata frita, a carne contida em um lanche e até mesmo o conservante de certos alimentos não são totalmente absorvidos pelo intestino do paciente com Crohn durante a fase ativa da doença, levando a sintomas como cólicas e diarreia. Nessa fase, ao escolher a composição de uma refeição, o ideal é preferir alimentos assados, grelhados ou cozidos no vapor e manter uma dieta saudável e equilibrada.

Cuidado com verduras e hortaliças


As verduras e hortaliças são alimentos saudáveis, mas, para as pessoas que possuem a doença de Crohn, principalmente na fase ativa, é necessário restringir esses consumos. Isso porque, as verduras e hortaliças são fontes de fibras o que pode aumentar a velocidade do trânsito intestinal e piorar ainda mais o quadro de diarreia típico dessa fase.

Opte por comidas menos picante e mais natural


Comidas apimentadas podem desencadear uma crise de dor, porém, essa reação varia de uma pessoa para outra. Nesse sentido, é importante que o paciente saiba qual é a sua reação ao comer alimentos mais picantes, como pimenta, ou outras especiarias como gengibre, canela e curry. Caso a pessoa sinta alguma irritação após ingerir esses alimentos, o ideal é escolher temperos feitos com ervas finas e pequenas quantidades de sucos cítricos.

Nada de açúcares não absorvíveis


Também conhecido como álcool de açúcar, o sorbitol e o manitol podem ser encontrados em gomas e balas sem açúcar, além de sorvetes de algumas frutas. A ingestão pode causar diarreia, inchaço e gases. Então, é preciso estar atento e ler com atenção a lista de ingredientes antes de incluir os produtos na dieta da doença de Crohn.

Consuma frutas sem a casca


O consumo de fruta como uma maçã por dia pode trazer diversos benefícios para a saúde, desde que seja consumida sem a casca. O mesmo deve ser feito com os legumes, por exemplo, o pepino. Embora contenha nutrientes nessa parte do vegetal, pacientes com Crohn devem evitá-la, assim como a ingestão de frutas e vegetais crus, por aumentarem a chance de quadros de diarreia.

A dieta


Por mais que nenhuma dieta em especial tenha se mostrado eficaz diante da doença de Crohn, o regime alimentar das pessoas que possuem esta enfermidade deve ser rico em nutrientes com calorias, proteínas e gorduras saudáveis adequadas.


Além disso, os medicamentos esteroides, frequentemente prescritos para a doença de Crohn podem aumentar o risco de osteoporose. Portanto, os pacientes precisam repor cálcio, vitamina D, magnésio e vitamina K suficientes para a saúde óssea. O uso prolongado de esteroides também pode resultar em deficiências de vitamina C, vitamina B12, ácido fólico, zinco e selênio.


Dicas


- Consumir pequenas refeições ou lanche a cada 3 ou 4 horas. Mantenha-se hidratado, porém, bebendo pequenas quantidades de água ao longo do dia.


- Nos períodos em que o paciente não apresenta sintomas, pode-se incluir grãos integrais e várias frutas e legumes em sua dieta. O ideal é consumir os alimentos um de cada vez e em pequenas quantidades.


- Diante de sintomas, como diarreia ou dor abdominal, siga a lista de alimentos indicados. Alimentos ricos em fibras, vegetais crus e que produzem gás, boa parte das frutas e bebidas cruas com cafeína devem ser evitados.

Se você atua como nutricionista e deseja aprimorar seus estudos para atender melhor os pacientes enfermos que precisam de dietas alimentares especificas, esse é o momento de se especializar e começar sua pós-graduação. Matricule-se na especialização em Terapia Ortomolecular e Fitoterápica "Ênfase na Prática Clínica" do Incursos. Aprofunde seu conhecimento no módulo de Técnicas de terapias ortomolecular e fitoterápica aplicada a Doenças Gastrintestinais e Disbiose, alergias e hipersensibilidade e em vários outros disponíveis nesta especialização.


Fonte: Nutri Total e Minha Saúde

Imagem: Envato Elements