O diagnóstico de câncer costuma ser recebido pelo paciente com muita apreensão já que se trata de uma doença que traz diversas mudanças não só no cotidiano como no organismo da pessoa. Por isso, certos cuidados precisam ser desenvolvidos para que a qualidade de vida não seja tão prejudicada. Então, nada melhor do que começar por uma boa alimentação.

O cuidado com a alimentação deve ser redobrado durante o tratamento oncológico. Nesse sentido é importante manter uma dieta balanceada e executar algumas dicas que podem aprimorar o processo de tratamento. Confira!

Faça pratos ricos em saladas


Uma refeição ideal deve conter um quarto de carboidratos, um quarto de proteínas e metade de salada. Ingerir verduras e legumes é fundamental para cumprir as necessidades nutricionais de nosso corpo: vitaminas de todos os tipos, minerais e fibras estão presentes nesses alimentos e são fundamentais para o funcionamento do metabolismo.

Divida bem as refeições


A ingestão de calorias e carboidratos é responsável pela secreção de insulina pelo pâncreas. Esse é o hormônio que tem a função de facilitar a entrada de glicose dentro das células e dar energia para a sua sobrevivência. O pâncreas também está envolvido na instalação do diabetes e na disfunção do sistema imunológico humano.

O mais recomendado é que a insulina seja secretada constantemente, mas sem atingir grandes concentrações. Isso impossibilita a hipoglicemia e a resistência à insulina, que podem piorar o quadro neoplásico e predispor a outras doenças. Sendo assim, o ideal é que as refeições sejam realizadas em maior número e menor quantidade; poucas porções a mais vezes por dia são muito mais saudáveis e facilitam o funcionamento dos seus órgãos.

Tenha uma dieta rica em fibras


As fibras solúveis são aquelas que formam um gel quando interagem com a água. Elas não são digeridas pelo trato gastrointestinal e nem absorvidas, chegando ao intestino intactas. Sua função no auxílio do tratamento e na prevenção de diversas doenças tem sido cada vez mais estudada. Atualmente a dieta rica em fibras são bastante indicadas na alimentação das pessoas que possuem câncer.

No momento em que essas estruturas chegam ao intestino, elas ajudam a regular a absorção de outros nutrientes, como gorduras e carboidratos. Sua ação se assemelha ao que foi mencionado no tópico acima, mantendo uma absorção mais prolongada e evitando picos de insulina. Dentre os alimentos que contêm fibras solúveis estão os cereais, as frutas e as sementes oleaginosas.


Hidratar bem o corpo


Se 70% do nosso corpo é composto por água é necessário mantê-lo hidratado. Isso porque a água está presente em todas as nossas células e é essencial para a maioria dos processos químicos do corpo. Além disso, a hidratação previne uma série de outras doenças que podem piorar a qualidade de vida e ser concomitantes com o quadro oncológico.

Alguns medicamentos para o câncer, principalmente quimioterápicos, podem causar efeitos colaterais nos rins. Por essa razão, é muito importante manter uma boa hidratação. O consumo de água estimula a circulação do sangue, além de garantir o bom funcionamento renal. Já a desidratação pode ser um fator de complicação no tratamento e pode piorar os efeitos colaterais dos medicamentos.

Evite beber líquidos durante a alimentação


Apesar da ingestão de água ser muito eficaz para a hidratação corporal, ingerir líquidos enquanto come não é uma boa opção. Quando isso acontece o alimento adquire maior velocidade ao passar pelo trato gastrointestinal. Isso dificulta a regulação da absorção de nutrientes e pode piorar a frequência de evacuações.

Como a diarreia é um dos principais efeitos colaterais de agentes quimioterápicos, ela pode ser ainda intensificada com esse hábito. Além disso, beber líquido durante as refeições também ajuda a desequilibrar a secreção de insulina; as alterações nutricionais também podem impactar na fisiologia da doença e trazer efeitos deletérios.


Tenha uma programação alimentar


O corpo humano trabalha com base em um "relógio biológico" interno que o mantém atualizado em relação ao horário. Por esse motivo, sabemos, quando é o momento de almoçar ou jantar mesmo sem olhar as horas, por exemplo. Dentre os hormônios envolvidos nesse processo estão a melatonina, o cortisol e a insulina.

Dessa forma, o ato de comer cada dia em um horário diferente ajuda a confundir esse relógio biológico. Assim, processos que seguem o ritmo interno podem ficar afetados: o funcionamento do sistema imune, por exemplo, é ditado pelo mesmo relógio biológico. É por esse motivo que algumas doenças apresentam sintomas mais fortes em um determinado momento do dia; um dos sintomas sugestivos de câncer é a sudorese noturna, que ocorre durante a noite.

A alimentação voltada para pacientes oncológicos é um dos pontos mais importantes da rotina de quem convive com a doença. Saber suas principais características ajuda a tomar decisões que favoreçam o tratamento e não piorem os efeitos colaterais. Dessa maneira, é possível viver mais e melhor, manter a qualidade de vida e ter um tratamento mais eficaz.

Mas, caso a pessoa não tenha câncer e queira se alimentar melhor com o objetivo de evitar esta enfermidade, alguns alimentos podem ser aliados nesta prevenção, tais como:


Tomate, goiaba e melancia: ajudam na prevenção de câncer de próstata e mama devido a presença da substância licopeno. O tomate é o vegetal que mais concentra o licopeno, que é melhor aproveitado na forma de molhos.

Frutas vermelhas e roxas: auxilia na prevenção de câncer de mama, reto, cólon, boca, esôfago, estômago e pâncreas, devido a ação dos antioxidantes flavonoides denominados antocianinas. Alguns exemplos de frutas vermelhas e roxas são: amora, morango, açaí, framboesa, uvas pretas e cerejas ao natural.

Frutas ricas em vitamina C: ajudam a prevenir vários tipos de câncer, principalmente o de estômago. São exemplos: laranja, limão, abacaxi, acerola, goiaba e caju.

Abóbora e cenoura: previnem o câncer de pulmão, por serem ricos em betacaroteno.

Couve-flor, repolho e brócolis: graças à presença de isotiocianato e glicosinolatos, ajudam na prevenção de câncer de cólon, mama e esôfago.

Sardinha, salmão e atum: por serem ricos em Ômega-3, auxiliam na prevenção de câncer de mama, próstata e cólon. Além dos peixes, outros alimentos ricos em ácido graxo são: abacate, azeite de oliva extra-virgem, farinha de linhaça e chia.

Alho e cebola: devido a presença do composto sulforado chamado alicina, ajuda na prevenção de câncer de estômago.

Casca da uva roxa: ajuda na prevenção de câncer de mama, ovário e útero, graças aos polifenois, principalmente o resveratrol, que aumenta a produção de uma enzima que ataca compostos nocivos do hormônio feminino estrogênio.


Soja e feijão: graças à presença de isoflavonas e ginisteína, ajudam na prevenção de câncer de próstata, mama, colo do útero, pulmão, estômago, cólon e reto. Por isso, vale aproveitar e consumir a versatilidade da soja e as variedades do feijão.


Brócolis: auxilia na prevenção de câncer de próstata e de mama, devido ao fitoquímico sulforafano. Sua ação é destruir células cancerígenas e ao mesmo tempo deixar as demais intactas.

Chá verde e preto: ajudam na prevenção de câncer de próstata, bexiga e pulmão, principalmente, mas de outros tipos também. Os antioxidantes responsáveis pelo benefício são a catequina e outros polifenóis.

Açafrão e curry: a cúrcuma, que dá origem ao açafrão e ao curry, é eficaz em vários tipos de câncer, mas sobretudo o melanoma, o pior tipo de câncer de pele, assim como o câncer de esôfago.

Frutas cítricas: limão, laranja, tangerina, toranja, por terem os ativos chamados naringenina e terpenos, além da vitamina C, ajudam na prevenção de câncer.


Gengibre: ajuda na prevenção de câncer de pâncreas, estômago, cólon e mama, devido à presença de duas substâncias, o gingerol e o 6-shogaol, que induzem a morte de células tumorais.

Chocolate amargo e cacau: por terem grandes quantidades de polifenois catequinas, ajudam na prevenção de diversos tipos de câncer. Dê preferência para os chocolates com no mínimo 70% de cacau, para aproveitar melhor os benefícios.


Vale lembrar também que além de incluir uma alimentação saudável, outros hábitos evitam o aparecimento do câncer e de outras doenças como: não fumar, não beber em excesso e praticar exercícios com regularidade.

Se você atua na área da nutrição e deseja direcionar seu trabalho e atender pacientes diagnosticados com câncer, você precisa de uma pós-graduação de qualidade. Conheça e se matricule na especialização em Terapia Nutricional Oncológica no Instituto Monte Pascoal. Amplie seu conhecimento e se torne referência no meio profissional.


Fonte: Hipolabor e Wecancer

Imagem: Envato Elements