Os alimentos fitoterápicos são caracterizados como uma alimentação que usa as plantas medicinais nas diferentes formas farmacêuticas. Segundo a resolução do Conselho Federal dos Nutricionistas (CFN), o fitoterápico é o produto obtido, empregando-se exclusivamente matérias-primas ativas vegetais, que tenham conhecimento da eficácia e possíveis riscos do seu uso.

Os alimentos fitoterápicos sempre foram muito utilizados pela medicina popular, ou pelo senso-comum, por avós, mães e tias que, com seus conhecimentos e experiências de vida, fazem o uso de tais plantas para as mais diversas doenças.


Dessa forma, alguns dos alimentos que funcionam como fitoterápicos são:

Alho: utiliza-se o bulbo, sua indicação é no tratamento de hipercolesterolemia e expctorante;

Picão muito utilizado para o tratamento da icterícia. E, de fato o picão possui essa propriedade, utilizando-se as folhas na forma de chá. Seu uso não é recomendado na gravidez;

Capim santo: suas folhas são utilizadas em quadros leves de insônia e calmante suave;

Anis estrelado: seu fruto é utilizado como expectorante na forma de chá, porém não deve ser consumido por gestantes;

Camomila: suas flores são usadas para o tratamento de quadros leves de ansiedade e calmante suave, além de atuar nas cólicas intestinais;

Espinheira santa: utiliza-se como infusão as suas folhas nos distúrbios da digestão como azia e gastrite, entretanto, assim como o anis estrelado, mulheres grávidas não devem consumir;

Melissa ou erva cidreira e maracujá: reconhecidos por servirem como calmante, porém, não é recomendado para pessoas com hipotiroidismo;

Guaraná: muito utilizado pela sua propriedade estimulante, principalmente, em forma de pó após sua semente ser triturada, no entanto, não deve ser indicado para pessoas com ansiedade, hipertensão e problemas cardíacos;

Erva doce: seus frutos são indicados para distúrbios gastrointestinais, cólicas e como expectorante;

Romã: na casca é que contém a substância com propriedades de combater inflamações e infecções da mucosa da boca e faringe;

Casca de uva, vinho tinto e maçãs: redução de doenças cardiovasculares e formação de coágulos e inflamações;


Brócolis, repolho, couve-flor e rabanete: aumento da atividade de enzimas que combatem a formação de células cancerígenas;


Tomate, goiaba e melancia: atividade antioxidante, redução do risco de doenças cardiovasculares e proteção contra o câncer, principalmente de próstata;

Folhas Verdes: proteção contra degeneração macular, manutenção de uma boa visão;

Linhaça: inibição de tumores, prevenção de doenças cardiovasculares e controle de doenças auto-imunes e inflamatórias;

Grãos integrais: melhora na saúde intestinal, redução do risco de câncer de cólon e controle do colesterol e glicemia;


Chá de mil folhas: é indicado para pessoas com falta de apetite, cólicas, complicações digestivas, febre, inflamação, entre outros problemas. É contraindicado para pessoas com úlcera gástrica;


Carqueja: indicada para distúrbios digestivos e problemas no fígado. É comum a utilização desse fitoterápico em forma de tintura, ou seja, um composto da erva concentrada em álcool, feito em uma farmácia manipulada. O uso não pode ser feito por grávidas, pois pode promover contrações uterinas;

Chapéu-de-couro: esse fitoterápico é usado para combater retenção de líquido e edemas corporais e ajudar no controle da pressão arterial;

Erva-cidreira: ela é indicada para combater cólicas intestinais e uterinas e quadros leves de ansiedade e insônia, como um verdadeiro calmante. Fácil de ser encontrada na forma de chá, não precisa de prescrição médica;


Arnica: vendida sob a forma de extrato (tintura) sem necessidade de prescrição médica, a arnica é ótima para tratar contusões e hematomas. O uso é tópico e deve ser evitado em ferimentos abertos;


Calêndula: indicada para tratar inflamações, lesões, contusões e queimaduras.. Não é preciso prescrição médica para obter esse fitoterápico;


Aloe Vera: cicatrizante nas lesões provocadas por queimaduras térmicas de primeiro e segundo grau, radiação, além de ajudar a tratar feridas de psoríase. Não precisa de prescrição médica;

Salix Alba: indicado contra dores lombares, febre, gripe e resfriado. Ele é de uso oral, tem poder antitérmico, anti-inflamatório e analgésico e dispensa prescrição médica;


Chá verde em cápsulas: esse fitoterápico apresenta um antioxidante chamado catequina, o flavonoide que tem uma ação vascular, a cafeína que traz melhoras nas partes cognitiva e cardíaca, a vitamina K e as vitaminas do complexo B;


Isovlafona de soja: este fitoterápico é um ótimo coadjuvante para aliviar os sintomas de mulheres que estão na fase da menopausa.

Mas, vale ressaltar que, para fazer o tratamento com fitoterápicos é importante ter acompanhamento de um profissional de saúde uma vez que possuem propriedades farmacológicas e em alguns casos efeitos adversos à saúde. Portanto, não deixe de consultar seu nutricionista e tire suas dúvidas a respeito dos fitoterápicos.

Se você atua como nutricionista e deseja aprofundar seu conhecimento nessa área, saiba que o Instituto Monte Pascoal possui a pós-graduação ideal para você. Conheça e faça já sua matrícula na especialização em Terapia Ortomolecular e Fitoterápica "Ênfase na Prática Clínica". Amplie suas técnicas profissionais e se torne referência no mercado de trabalho.



Fonte: Manipulaê

Imagem: 123RF