A área da panificação assim como qualquer setor de produção passou por transformações ao longo do tempo. As inovações tecnológicas fizeram com que a fabricação de alimentos ganhasse em qualidade e eficiência. Além disso, a produção artesanal e a sustentabilidade vêm conseguindo seu espaço no meio alimentício. Confira!

Apesar da tecnologia ter feito grandes avanços, o mercado da panificação acabou regredindo voltando a milhares de anos no tempo em que o pão era elaborado por meio de uma fermentação natural, lenta e caprichosa. Isso porque os consumidores estão cada vez mais pedindo por produtos artesanais com ingredientes selecionados e de preferência integrais.


Outro ponto importante é que a sustentabilidade tem se aliado a área de panificação, passando a permear todo o processo de produção até a entrega final do produto ao cliente. Dessa forma, a tecnologia de panificação tem sido direcionada para oferecer soluções com eficiência ecologicamente correta. Equipamentos produzidos dentro das concepções de sustentabilidade conseguem entregar aos empreendedores do setor capacidade produtiva com um menor gasto energético.

Principais inovações da panificação


Atualmente, as principais inovações do mercado de panificação passam pela busca por um produto especial e artesanal e também por tecnologias que aprimorem e aperfeiçoem todo esse processo. Nesse sentido, é comum as padarias agregarem ao estabelecimento um setor de confeitaria, de sanduíches e pizzas, cafeteria, uma ala gourmet, entre outros departamentos. Esses estabelecimentos têm ganhado um caráter de "multicomércio" para atender aos seus consumidores.

Quais são os principais fundamentos da tecnologia na panificação?


Quando o assunto é tecnologia de panificação as palavras chaves são ‘eficiência’ e ‘qualidade na produtividade’. Até porque, os aprimoramentos nos equipamentos são desenvolvidos com a finalidade de entregar ao empreendedor uma máquina capaz de garantir a qualidade do pão e de outros produtos panificados bem próxima do método artesanal, feito à mão, como na época dos egípcios.

Fazendo uma viagem no tempo, para entender melhor o contexto atual, acredita-se que os povos antigos da Babilônia foram os primeiros a produzir pão, há cerca de 14 mil anos. Mas, a produção deles não era tão saborosa como a que temos hoje em dia. O mérito desse pão macio e de aroma peculiar que chega às nossas mesas pertence aos egípcios, que souberam tornar esse alimento ainda mais agradável ao paladar das pessoas. Foram eles que descobriram como trabalhar com a levedura e como fermentar a massa, técnica que se prolongou com o passar dos anos e continua sendo usada.

Agora, com o uso de farinhas especiais e ingredientes nobres, a tecnologia vem agregar mais valor para um produto extremamente diferenciado e muito saboroso. A tecnologia de panificação entrega também mais força de trabalho para uma produção em média ou em grande escala, dependendo do perfil de cada empresa.

Características como agilidade e praticidade devem ser lembradas. A tecnologia digital e de automação dos equipamentos garantem uma otimização na logística da padaria, possibilitando que um mesmo funcionário consiga realizar outras tarefas enquanto o aparelho, devidamente programado, realiza sua função.

Quais são os equipamentos de panificação indispensáveis?


A padaria moderna e atual necessita mais do que um fazer artesanal primoroso. Para se desenvolver no mercado de panificação, no qual, a concorrência é forte, é preciso investir em equipamentos de tecnologia de ponta, indispensáveis para uma produção de alto padrão e de qualidade.

Equipamentos como a amassadeira e a batedeira profissional são ótimos exemplos. Elas são voltadas para a produção de massas pesadas, como a massa do pão e dos demais produtos de padaria em geral. São equipamentos maiores, cujos motores são mais robustos e entregam resistência e agilidade ao processo.

Se tratando das amassadeiras profissionais, a tecnologia empregada está no design do eixo que faz a mistura. O formato em espiral, como um parafuso, permite que haja uma absorção maior da água na farinha. Isso ocorre por causa do contato e do movimento dessa espiral dentro do bowl.

Durante a rotação, ela faz com que a massa forme a chamada "rede de glúten", que faz com que o pão tenha uma textura que prenda os gases da fermentação dentro dele. O resultado é uma massa extremamente saborosa e com muito mais rendimento.

Equipamentos robustos


Os equipamentos mais robustos e resistentes também fazem parte da tecnologia de panificação. O maquinário robusto oferece ao empreendedor uma durabilidade maior com ótimos mecanismos de segurança para o funcionário que opera o aparelho.

Além disso, são máquinas que possuem uma enorme capacidade de produção, suportando bem a rotina pesada e agitada de uma cozinha industrial. Toda essa força de trabalho, é capaz de preservar a qualidade e a delicadeza dos produtos panificados.

Aço inoxidável


Além da tecnologia empregada no maquinário, o material em que ele é confeccionado faz toda diferença na durabilidade. O aço inoxidável garante equipamentos mais resistentes e fáceis de serem higienizados. Esse material não enferruja, não prolifera micro-organismos e, além de tudo, compõe um visual bonito à cozinha.

Esses são alguns dos aspectos mais importantes a respeito da tecnologia de panificação. No entanto, é importante salientar que se trata de um nicho de mercado complexo e que, portanto, precisa ser avaliado com cuidado, de forma atenta às demandas e inovações que surgem a cada dia.

Se você é nutricionista e gostou de ler essa matéria, saiba que o Incursos possui a especialização em Gestão da Qualidade, Produção e Higiene de Alimentos, no qual, conta com o módulo de Higiene, tecnologia de panificação. Então se você deseja fazer uma pós-graduação nessa área não perca tempo, matricule-se já! Seja um (a) profissional especializado (a) e faça a diferença no mercado de trabalho.



Fonte: Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria.

Imagem: 123RF