Métodos inovadores estão chegando em todos os setores alimentícios e com a indústria de laticínios não seria diferente. Um laboratório pequeno está elaborando um leite feito à partir de células sem precisar de extrai-lo da vaca. O objetivo é evitar as emissões de gases de efeito estufa em que uma porcentagem provém da produção de leite e de gado.


De acordo com Max Rye, estrategista-chefe do TurtleTree Labs, cerca de 37% das emissões globais de metano vêm da produção de gado. Ele comenta que o metano é um gás de efeito estufa muito potente, cerca de 25 vezes mais eficaz na captura de radiação do que o CO2. Os laticínios também consomem uma grande quantidade de recursos, como terra e água.


Na opinião de Max isso não deve continuar, pois, é preciso desenvolver novas tecnologias que possam fornecer os mesmos produtos como o leite, queijo, creme e manteiga, porém de forma menos poluente. Para isso, o estrategista-chefe comenta que é possível criar leite cru utilizando células de mamíferos, cultivando essas células em laboratório e estimulando-as a produzir leite em biorreatores gigantes.

Com isso, as células grudam em canudos minúsculos, o fluido é então puxado pelos canudos e o leite sai pela outra extremidade. Além disso, Max afirma que a Turtle Tree Labs é a primeira empresa a usar células para produzir leite cru. Ele ainda afirma que até o momento obtiveram sucesso com células de vacas, cabras, ovelhas e camelos.

Se você atua como nutricionista e gosta de estar atento (a) as novidades que surgem então, amplie seu conhecimento e comece sua especialização em Terapia Nutricional Oncológica no Instituto Monte Pascoal. Aperfeiçoe suas técnicas profissionais e faça a diferença no meio profissional.



Fonte: G1

Imagem: 123RF