A dúvida se o café da manhã reforçado entra ou não para uma dieta é constante. Saber se o jejum intermitente é melhor do que se alimentar durante a manhã certamente já esteve no pensamento de quem enfrenta o emagrecimento. No entanto, novo estudo feito por pesquisadores da Universidade de Tel Aviv (Israel) mostra que o café matinal realmente funciona para uma boa dieta.

O estudo foi apresentado como trabalho científico no congresso da Sociedade de Endocrinologia dos Estados Unidos. Na pesquisa, adultos que eram obesos e tinham diabetes tipo 2 perderam mais peso e apresentaram melhor nível de glicose no sangue quando tomaram um café da manhã reforçado diariamente e fizeram apenas três refeições ao dia, em comparação a quem se alimentou seis vezes.


Daniela Jakubowicz, principal autora do estudo, explica que o nosso corpo muda o metabolismo ao longo do dia. Segundo ela, comer uma fatia de pão no café da manhã leva a uma menor resposta de glicose e engorda menos do que ingerir a mesma quantidade à noite. Dessa forma, Jakubowicz e sua equipe decidiram descobrir mais sobre como o tempo de ingestão de alimentos influencia a perda de peso e a glicemia.


Os cientistas que desenvolveram o estudo acompanharam 29 adultos, sendo 18 homens e 11 mulheres. Todos obesos e com diabetes tipo 2. A equipe atribuiu aleatoriamente a cada um dois tipos de dieta que deveriam ser seguidas por três meses. Um grupo seguiu a "Bdiet", com três refeições por dia: um grande café da manhã; um almoço de tamanho médio e um pequeno jantar. O outro grupo seguiu o "6Mdiet", composta por seis pequenas refeições espaçadas ao longo do dia, além de três lanches. Os pesquisadores testaram o nível de glicose no sangue a cada duas semanas. Eles também usaram monitoração contínua de glicose para medir o nível global de glicose, bem como picos de açúcar no sangue ao longo do estudo.


No final do teste feito com os pacientes os pesquisadores descobriram que os adeptos da Bdiet perderam, em média, 5 kg após três meses, enquanto aqueles que seguiram a 6Mdiet ganharam, em média, 1,4 kg. A fome e os desejos por carboidratos também aumentaram entre os indivíduos no grupo 6Mdiet, mas foram reduzidos significativamente em quem seguiu a Bdiet.

O estudo também revelou que os participantes que aderiram à Bdiet experimentaram uma diminuição significativa no nível global de açúcar no sangue em apenas 14 dias, mesmo quando não apresentaram perda de peso.


De acordo com os pesquisadores, essa descoberta indica que somente o tempo entre as refeições já pode ajudar no gerenciamento de glicose no sangue, e a perda de peso melhora isso ainda mais.


No estudo, a equipe de pesquisadores concluiu que três refeições ao dia pode ser uma estratégia benéfica aos pacientes com obesidade e diabetes tipo 2. "Essas pessoas tiveram melhor perda de peso, menos forme e melhor controle do diabetes com esse tipo de dieta", ressalta Jakubowicz.


Individualização ainda é o melhor caminho


A nutricionista Clarissa Fujiwara, mestre em ciências pela USP e do departamento de Nutrição da Abeso (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica), concorda com Jakubowicz sobre o impacto do ciclo circadiano, relógio biológico, na alimentação. "O ser humano é um animal de hábitos diurnos e faz sentido que o maior aporte calórico seja feito no início do dia e depois esse consumo vá diminuindo. Nosso organismo não evoluiu para ficar acordado até tarde consumindo um grande número de calorias", explica.

Apesar de Fujiwara concordar com a pesquisa Jakubowicz, a nutricionista salienta que o estudo foi realizado com poucos pacientes e não dá para bater o martelo que de comer três porções ao dia é melhor do que em porções fracionadas. "O importante é individualizar a dieta. Para algumas pessoas, ter três refeições principais bem distribuídas funciona para emagrecer. Enquanto para outras pessoas ter refeições fracionadas faz com que eles consumam alimentos com bons nutrientes, como frutas", diz.

A nutricionista não sabe por qual motivo os pacientes adeptos da "6Mdiet" engordaram ao invés de emagrecer, mas acha que isso esteja relacionado com o fato de não consumirem os lanches corretamente. "Tem gente que fraciona as refeições, mas acaba optando sempre por lanches de pior qualidade. Fora que esse método deixa as pessoas mais expostas aos alimentos. Ou seja, ao chegar na cozinha em vez de pegar a fruta, a pessoa pode ter consumido outro alimento fora do plano alimentar", explica.

Se você já atua na área da nutrição e deseja alavancar seus estudos, comece agora sua especialização em nutrição na Incursos. Amplie seus conhecimentos e faça a diferença no mercado de trabalho.



Fonte: UOL

Imagem: PhotoMIX via Pixabay