O transtorno alimentar é uma doença que vem crescendo cada vez mais entre os jovens e adolescentes. É caracterizado pela preocupação exagerada com a forma do corpo, tendo como resultado a falta de apetite, uso de laxantes, anorexia, bulimia, ortorexia, vigorexia, e outras doenças

.

Segundo a Nutricionista, Raphaela, além da perda de peso, um dos principais sinais a serem detectados é a baixa autoestima, sintomas de depressão, excesso de exercício, fraqueza, desmaio, insônia, diminuição ou ausência de menstruação, queda de cabelo, palidez e alteração no humor.

Para ela, o tratamento não tem um tempo determinado, pois assim que o paciente pode estar no processo de recuperação, também pode ter a possibilidade de abonar o procedimento. "O tratamento consiste no trabalho de várias profissionais juntos (Psicólogos, nutricionistas, médicos), uma boa alimentação, terapias e medicamentos, grupo de apoio, apoio da família", afirma Raphaela.


Stefani Nobre, nutricionista, aponta que existem diferenças entre anorexia, bulimia, ortorexia, vigorexia, pois a anorexia está focada em perda dramática de peso, excesso de exercício físico. Já a bulimia é voltada para alteração de horário das refeições, agressividade e isolamento social e caries dentarias. A ortorexia examina cada nutriente composto no alimento, observa e comenta a maneira de outras pessoas prepararem a comida. E por último, não menos importante, a vigorexia, conhecida pela dor muscular, sentimento de inferioridade e insônia.

Para a psicóloga, Lorena Bueno, relata que os sintomas podem ser identificados pelo comportamento da pessoa, pois a mesma não tem consciência do que come ou deixou de comer. E o principal respaldo é os pais prestarem atenção em comportamentos não saudáveis e na perda de peso.


"Nunca aborde a pessoa com agressividade querendo explicações do porquê de estar comendo muito ou não comendo nada. Uma pessoa que apresenta sintomas de transtornos alimentares está passando por grandes problemas internos e externos, ela precisa de atenção, carinho e cuidado", orienta a psicóloga.

Existem grupos de apoio para quem sofre com transtorno alimentar, o importante é procurar ajuda de um, profissional qualificado, seja ele um nutricionista, psiquiatra, psicólogo e outros especializados na área. Tendo também ajuda de medicamentos passado pelo médico.


De acordo com Lorena, o psicólogo tem como objetivo ajudar a ver as causas dos sintomas, analisar e trazer soluções para o problema junto ao paciente, que no momento não está conseguindo resolver. Além do psicólogo é bom procurar ajuda de pessoas próximas das quais confiem.


O padrão passado pelos meios de comunicação faz com que a busca pelo o corpo ideal só aumente. E um grande público que é o principal alvo da sociedade são as mulheres, influenciando em seu comportamento, no qual reflete na sua maneira de se alimentar.

"A perfeição é algo inalcançável porque ela existe de formas diferentes na cabeça de cada um, pois a perfeição é utopia. Nós somos reais, o real tem defeitos, tem problemas, tem dificuldades, todos temos isso e temos que ser capazes de lidar com isso. Buscar a melhor versão de nós mesmos para termos mais saúde, e um corpo que nos deixa felizes é o que importa, mas sem exageros. Há soluções, se ajude", explica.

Os alimentos que podem ajudar a manter uma aparência saudável de acordo com a nutricionista Raphaela são; Frutas, vegetais, tubérculos, castanhas, carnes, ovos e sementes.


Reportagem: Raquel Lima

Fonte de imagem: gazetadopovo.com.br